Pages Menu
RssFacebook

Categories Menu

Perguntas Frequentes


1. Como é o clima nas diferentes altitudes deste local?

Clima de ar muito seco e temperaturas variáveis entre 30°C e 10ºC sem levar em conta a sensação térmica. A variação de temperatura está diretamente relacionada com a altitude, grau de nebulosidade e velocidade do vento.

2. Como será o transporte?
A parte aérea geralmente é feita via Buenos Aires pela companhia Aerolíneas Argentinas ou via Santiago do Chile pela companhia Lan Chile (aéreo não incluso no pacote);
O traslado Aeroporto/Hotel/Aeroporto é feito de taxi e está incluso no roteiro somente no 1° dia do roteiro e no último dia do roteiro. Pessoas que decidam chegar antes do grupo terão que pagar o seu traslado ao Hotel separadamente. A distância entre o Aeroporto e o Hotel é de aproximadamente 25km e o deslocamento até o hotel levará algo em torno de 20 minutos. Alguém estará aguardando o grupo no aeroporto com uma placa de identificação da empresa ou com o nome dos passageiros;
O traslado Mendoza/Puente Del Inca/Mendoza é feito de Van ou Micro ônibus e isso dependerá do tamanho do grupo. A distância entre Mendoza e Puente Del Inca é de aproximadamente 180km e levará algo em torno de 3 horas. As condições da estrada são muito boas;

3. Esta expedição exige muito fisicamente? Há algum pré-requisito?
Não, é um trekking curto , onde a exigência mínima é estar preparado para caminhadas, e estar disposto a enfrentar desafios que possam surgir no caminho. O pré-requisito é estar saudável com mínimo de condicionamento físico.

4. Quanto dinheiro devo levar? Em quais formas?
Recomendamos que todos sempre tenham em mãos um cartão de crédito internacional para qualquer eventualidade. Além disso, recomendamos que o participante leve um mínimo (US$ 400,00) para gastos com jantares em Mendoza, compras no supermercado, ligações para o Brasil, internet , banhos,  taxa de embarque do retorno ao Brasil, e taxa de ingresso no parque provincial Aconcágua.

5. Por que adquirir o seguro internacional de viagem (obrigatório)?
Para não correr riscos desnecessários fora de seu país durante uma viagem internacional que inclua atividades de risco. O seguro deve necessariamente cobrir esportes de inverno, pois só assim o praticante estará totalmente coberto.
Mesmo o participante já possuindo um plano de saúde bom, este pode não cobrir gastos com atividades de alto risco, como por exemplo, um resgate em montanha, congelamentos, mal de altitude agudo e outros.

6. As cidades e vilarejos que visitaremos são seguros? 
Sim, são muito seguras. Diferente do Brasil podemos ficar muito mais tranqüilos na cidade de Mendoza que além de ser um verdadeiro Oasis, é um pólo turístico visitado por pessoas de todo o mundo e possui uma infra estrutura que agrada a todos os tipos de público.
Mendoza possui: Supermercado, Shopping, Restaurantes, Comércio, Agências de turismo e de turismo de aventura, Zoológico, Aquário, Vinícolas, Hotelaria, bancos, etc.

7. E quanto às doenças?
Não temos registros com problemas de doenças a não ser problemas já existentes nos participantes como alergias a pó e problemas respiratórios devido ao ar seco da região.

8. Há algum tipo de maximização nas chances de sucesso?
Sim, Seguir todas as orientações dos guias antes e durante a expedição. Seguir orientações no preparo físico e psicológico antes da viagem e seguir as orientações básicas durante a viagem como: hidratação, alimentação, economia de energia (lei do mínimo esforço), higiene pessoal, vestimenta (controle de temperatura) entre outros.

9. Por quantos guias é composta a equipe do trekking?
A Equipe do trekking é comporta de um guia Brasileiro para todo o grupo (9 ou 10 clientes). No caso de haver alguma eventualidade e o grupo precisar se separar por um curto espaço de tempo sempre existirá a possibilidade de se contratar um guia local.

10. Qual a melhor temporada para o trekking?
O parque abre para visitantes somente no verão. Essa temporada começa em meados de novembro e se estende até meados de março. A melhor época nessa temporada é entre dezembro e início de fevereiro (alta temporada).

11. Quantos integrantes há na equipe do trekking?
Cada grupo tem um limite de até 10 participantes. Seguindo a regra do item 10, estes clientes estarão acompanhados de 1 guia brasileiro (representante Grade 6).

12. Irei dividir algum quarto ou hospedagem com outro integrante?
Sim, as hospedagens serão feitas em quartos duplos, mas se desejar ficar sozinho, basta pagar uma taxa extra adicional de quarto simples no ato da inscrição ou em último caso diretamente no local para o seu guia brasileiro (representante Grade 6).

13. Quanto mais ou menos vai pesar minha mochila nas diferentes partes do trekking?
A mochila de ataque que será utilizada no trecho entre a entrada do parque e o acampamento base pesará algo em torno de 5 a 7kg, e esta conterá somente a água, alimentação e vestimenta para o dia. Outros objetos de uso pessoal também podem ser carregados pelo cliente, porém este deve tomar cuidado para não carregar muito peso desnecessariamente.

14. Como funciona o sistema de aluguel de equipamentos?
Todo o equipamento de uso individual ou coletivo que o cliente necessitar alugar, deve ser reservado e pago antes da data de saída da expedição. O Valor cobrado é tabelado de acordo com o valor local na Argentina. O cliente que puder vir até a Grade 6 para pegar esses equipamentos, preencherá uma termo de responsabilidade, pagará o aluguel à vista e deixará um cheque caução no valor do produto caso este extravie ou seja danificado durante a expedição

15. Como é o tratamento de água no local? É ou não adequada para beber?
A água na montanha é adequada para beber, apesar de não possui nenhum tipo de tratamento já que a mesma é captada diretamente do derretimento de gelo dos glaciares do entorno.
Vale a pena dizer que antes do acampamento base a água é cristalina, insípida e inodora, às vezes,  possuindo um grau um pouco elevado de magnésio fazendo com que as fezes fiquem um pouco moles. Nunca tivemos problema algum com a água na montanha e a dica mais importante é dizer que nunca se deve beber dessa água pura, devendo sempre misturar a mesma com sucos, chás, sopas e outros, pois não possui sais minerais e é basicamente água destilada e se consumida pura irá lavar o seu organismo ao invés de reabastecê-lo.

16. Como serão as refeições durante o Trekkig? 
A alimentação durante todo o trekking será bastante variada e balanceada, contendo alimentos à base de carboidratos, fibras, proteínas e outros. Atenção com os níveis de sal durante a expedição para não ter surpresas com a pressão arterial, pois o aumento da mesma impossibilita a atividade.
Em confluência teremos uma pessoa preparando pensão completa para todos os integrantes e teremos também uma barraca refeitório à nossa disposição.

17. Posso levar algum alimento de casa?
No caso deste trekking não há necessidade alguma de levar alimentos de casa.

18. Qual a melhor rota aérea para o meu destino?
Existem duas rotas para se chegar a Mendoza. Pode-se ir para Mendoza via Buenos Aires ou via Santiago do Chile. Não temos preferência por uma ou outra rota, pois ambas funcionam muito bem. Tudo o que podemos dizer é que a rota via Santiago do Chile costuma ser um pouco mais cara, porém é um pouco mais cômoda, pois não é necessário trocar de aeroporto. Na rota via Buenos Aires é feita uma troca de aeroportos.

19. Quando preciso agendar meu vôo, preciso usar seu agente de turismo?
Você pode utilizar nosso agente de turismo ou não. O importante é o cliente definir um itinerário adequado com o roteiro em questão. Com o máximo de antecedência possível.

20. Que horas devo chegar e partir? Onde encontro os guias?
Deve-se chegar ao Aeroporto de Mendoza no dia proposto pelo roteiro (manhã) e retornar ao Brasil no dia proposto no roteiro (manhã, tarde ou noite). A chegada ou saída de Mendoza que ocorrer fora da data proposta pelo roteiro, possuirá o traslado agendado pela Grade 6, porém este deverá ser pago à parte pelo cliente. Sempre haverá uma pessoa aguardando o cliente no aeroporto, seja ela um taxista, um parceiro local ou um guia brasileiro identificado com uma placa contendo o nome do passageiro e/ou o nome da Grade 6.

21. Há comunicação enquanto estivermos na montanha?
Sim, estaremos sempre em contato com a base na cidade por rádios, como se trata de um roteiro curto, voltaremos logo à cidade o que possibilita comunicação por quase todos os dias do roteiro.

22. Onde posso conseguir maiores informações sobre história, cultura e possíveis atividades na região de destino?
Você pode encontrar informações no site oficial do parque http://www.aconcagua.mendoza.gov.ar/ e diretamente na Grade 6 (19) 3241-97089.

23. Quanto devo dar de gorjeta ao guia e aos staffs?
Não pedimos gorjetas para guias e/ou staff. Se o cliente desejar dar alguma gorjeta ou presente para guias e staff da Grade 6 será muito bem aceito. Caso o cliente deseje oferecer gorjetas e presentes para parceiros locais, favor consultar o guia antes, afim de evitar desentendimentos ou transtornos com locais.

24. Como se dá a aclimatação?
A aclimatação durante a expedição da Grade 6 acontece de forma gradual respeitando sempre os limites de cada integrante da equipe. Existe um monitoramento constante da evolução de nossa aclimatação feita por guias, médicos, guarda parques e companheiros de equipe. As recomendações básicas são a boa alimentação, hidratação e economia de energia durante toda e qualquer atividade em altitude.

25. Que documentos preciso portar para esta viagem?
RG Original (obrigatório) para brasileiros e Passaporte (opcional);
RNE Original (opcional) e Passaporte (obrigatório) para estrangeiros;
Passagem aérea durante os vôos (cuidado para não perder a passagem);
Permit ou Permiso de entrada do parque;
Obs: Estes documentos devem ser portados pelo cliente o tempo todo.

26. Que papéis ou fichas (burocracia) devo preencher?
Deve-se preencher e assinar a ficha de inscrição e seus termos anexados;
Preencher a ficha do seguro internacional e efetuá-lo por conta própria;
Fazer a reserva da passagem aérea, confirmá-la e efetuar o pagamento;
Fazer o Permit ou Permiso de entrada do parque diretamente em Mendoza efetuando o pagamento também no local.

27. O que acontece se eu tiver que desistir do trekking mais cedo?
•No caso de desistência durante o trekking, dependendo do local da desistência, o cliente deverá entrar em contato com o Guia e ver quais são as possibilidades e combinar a forma de retorno para Mendoza e/ou Brasil;
•No caso do cliente desejar voltar para Mendoza e/ou Brasil, este será acompanhado por um guia até a entrada do parque e receberá toda a assistência necessária para realizar o seu retorno com sucesso. Vale a pena lembrar que os gastos deste retorno também deverão ser todos pagos separadamente diretamente no local para o guia Grade6.

28. Quais são as inclinações mínimas e máximas que irei enfrentar?
As inclinações desde a entrada do parque até o Acampamento Confluência e Plaza Francia variam desde uma superfície praticamente plana até uma superfície irregular com inclinação de até 35° (somente trilhas).

29. Qual é o dia mais intenso?
Dia de caminhada a Plaza Francia, trata-se de uma caminhada de aproximadamente 8hs entre ida e volta, porém teremos tempo de descanso.Esta caminhada será o ápice de nosso roteiro.É este o dia mais desafiador e mais intenso da viagem.

30. Como é o banheiro na montanha?
Os banheiros em confluência são químicos e cada empresa possui o seu de forma que os mesmos sempre estarão limpos, e prontos para uso.

31. Qual a altitude de Mendoza?
A altitude em Mendoza é de aproximadamente 760m.

32. Qual é cambio da moeda local para dólares?
O cambio Argentino varia de um ano para o outro, por isso pedimos que se informem diretamente com a Grade 6 ou com uma casa de câmbio para obter tais informações.O ultimo ano estava
R$ 1 = P$ 2.1.(reais para pesos argentinos)

33. Qual a temperatura média e mínima de cada acampamento?
•A temperatura em Mendoza é quente e agradável, entre 20°C e 35°C;
•A temperatura em Puente Del Inca é um pouco mais fresca, entre 20°C e 10°C;
•A temperatura em Confluência começa a cair e fica 15°C e 5°C podendo chegar facilmente abaixo de zero;
Obs: As temperaturas acima não levam em consideração a sensação térmica que varia de acordo com a velocidade do vento. Esta pode atingir temperaturas extremas de até -10°C durante o trekking.

34. A Grade6 carrega oxímetro e oxigênio suplementar, em suas expedições?
Tanto a Grade 6 quanto o médico em cada acampamento base (Confluência e Plaza de Mulas) possuem um oxímetro para acompanhar o monitoramento da aclimatação dos integrantes da expedição. Não utilizamos oxigênio no Aconcágua e o uso do mesmo é praticamente exclusivo dos médicos e do corpo de resgate. Em situações normais, não é necessária a utilização de oxigênio no Aconcagua somente em caso de emergência o mesmo é utilizado por médicos e guarda parques.

35. Quais são as formas de pagamento?
O pagamento deve ser feito até a data de saída da viagem e as formas de pagamentos, são:
•À vista (em cheque, dinheiro, depósito ou transferência bancária);
•Parcelado (boleto ou cheque).
Obs: A primeira parcela do pagamento parcelado ou o sinal podem ser feitos via depósito ou transferência bancária.

36. Posso participar deste roteiro, caso tenha alguma doença crônica? 
As doenças crônicas como hipertensão, cardiopatias e diabetes por exemplo, requerem muita atenção mas geralmente não impedem a participação neste roteiro desde que controladas e que o portador não tenha restrições médicas.
É necessário um atestado médico que o autorize realizar este programa.
A Grade6 recomenda que o interessado consulte seu médico e confirme com ele a possibilidade da participação neste programa que se realizará em áreas remotas e geralmente em altitude elevada (acima de 2.500m) e solicite o atestado.
Estamos à disposição para dar ao seu médico todas as informações que ele necessite sobre este roteiro.

37. Qual o papel socioambiental da Grade6?
A Grade6 em suas viagens tem como prioridade além da segurança e qualidade, uma preocupação com relação ao Meio Ambiente, onde temos como premissa deixar o local onde foi realizado o roteiro nas mesmas condições ou melhores daquela quando iniciamos. Contudo, recomendamos aos participantes portar no mínimo uma sacola/saco para lixo, assim todos os resíduos e/ou lixo que produzirmos será transportado até o próximo ponto ou cesto específico para esta remoção. 


 US$ 2.250,00 por pessoa
(Grupo mínimo de 6 participantes)

Classificação do Roteiro

Dificuldade técnica: Nenhuma
Intensidade: Baixa
Altitude: Baixa

Entenda o índice classificatório

Resumo

Itinerário

Equipamentos

Ficha de Inscrição

Perguntas Frequentes